Thursday, January 20, 2005

Episódios Caricatos dos Nossos Amiguinhos de Estimação

E que tal este tópico, people?

É certo e sabido que os nossos amiguinhos animais nos proporcionam mais do que uma simples companhia. Muitas vezes, dão-nos motivo para umas quantas gargalhadas ou interjecções de admiração, alegria, estupefacção, qualquer coisa assim...

Então, que tal deixarmos aqui algumas histórias caricatas cujos protagonistas são os nossos amiguinhos animais? Podem ser nossos ou de conhecidos, o que importa mesmo é que sejam amiguinhos e animais (o Homo sapiens está excluído, hem?...).

Ok, portanto, começo eu...já que puxei eu a ideia...espero que alinhem (yep, reparem nos tons avermelhados das palavras... :-D)!!!!!!!

Era uma vez (todas as histórias que se prezem deviam começar assim...)...
...um canzarrão preto muita lindão chamado Júpiter (Jupi ou Pité para os amigos). Os donos babadíssimos deste bobita gostavam muito de pensar que o seu lindão era um másculo Pastor Alemão, mas na verdade nunca conseguiram identificar muito bem as misturas que ali iam...enfim, batido de Pastor Alemão ou não, Júpiter era um cão extremamente esperto, dócil e dado. Tudo aquilo que uma criança maluca sempre sonhou ter num amiguinho peludo.
Certo dia de Primavera, quando as flores se espreguiçavam na direcção do Astro-Rei, uma pequena e intrépida abelha zuniu em direcção a uma pequena e encaracolada criança. Não sabemos que se terá passado nas antenas daquele bicharoco, mas o que é certo é que confundiu os caracóis dourados da petiza com uma qualquer espécie de malmequer ainda desconhecido do mundo da colmeia. A curiosidade foi a sua perdição...mal deu pela presença do pequeno insecto, a criança encaracolada deu o alarme, despertando a atenção do fiel mastim de guarda com nome de planeta de sistema solar.
A atenção do fiel mastim também quase que foi a sua perdição, quando resolveu abocanhar e engolir a incauta abelha (e umas poucas companheiras de expedição ao País dos Caracóis Dourados) e, assim, salvar a petiza encaracolada das dores e ardores de uma ferroada. Pobre amiguinho! De imediato a sua cabecita e focinhito incharam, acusando a certeza de um choque anafilático...
Mas, do alto do seu orgulhoso inchaço, Júpiter estava tranquilo: tinha cumprido o seu dever, tinha salvo aquela criaturinha indefesa, tinha protegido a cria dos alfa da sua matilha e tinha ganho ainda maior admiração, respeito e carinho no seio daquela família feliz, naquele dia de Primavera em que as flores se espreguiçavam na direcção do Astro-Rei...

:-DDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDDD (agora riam-se, vá...!!!)





15 comments:

ZP said...

O que é um choque anafilático?

Vanadis said...

É uma reacção alérgica aguda. Por ex, se és alérgico ás ferroadas das abelhas, se levares demasiadas ferroadas entras em choque anafilático.

ZP said...

O que é um mastim?

Vanadis said...

Vai ver ao dicionário, homem! ;-P

ZP said...

O que é um dicionário?

Vanadis said...

É aquilo que não tarda nada te vai cair em cima da cabeça... :-ppppp

Lol, brincadeira!

Vanadis said...

Lembrei-me de mais uma históira caricata, eheheh...

Certa vez, deixaram-me em casa sozinha com o Rantanplan, outro batido de Pastor Alemão que, por acaso, até era filho do fiel mastim com nome de planeta. Claro que a asneira não se fez esperar: meti na cabeça que tinha de levar o cão até ao meu quarto, fazendo-o subir as escadas de madeira que ligavam o rés do chão ao primeiro andar...
Tremelicando por todos os lados, o pobre canito lá conseguiu chegar a meio. Mas depois, ai Jasus, não queria nem subir nem descer...
Antecipando o desastre, achei que era melhor fazê-lo descer, antes que chegasse a milícia parental. Se bem o pensei, pior saiu, porque o pobre bicho escorregou e rebolou escada abaixo, arrastando com ele todos os vasos de plantas que encontrou pelo caminho...
E, para piorar as coisas, os papázitos chegaram nesse preciso momento...tive de tempo de meter o entontecido cão no quintal (onde, supostamente, era o seu lugar) e de inventar uma desculpa: que tinha sido eu a cair escadas abaixo e a encher a carpete de terra...uiuiui...lá me safei...

dharyk said...

Vanadis: n tens mais nada que fazer??? corzinhas nas palavras?!?!? Jupiter (Jupi, Pite)??? que raio de nome e esse pra um cao??? Pais dos Caracois Dourados???
What the fuck?!?!?!?!?

ZP: Deixa la, nem toda a gente sabe o que e/pra que serve um dicionario...

Vanadis said...

Tenho, mas qd apetece avacalhar, apetece e prontos. Há quem consulte dicionários, e quem meta corzinhas nas palavras.

Vê lá como falas do meu Pité, hemmmmmm, senão temos sarilho dos grandes!!!!!!!!!!!!! :-P

Vanadis said...

Tão, people????????

Não me digam que não têm bichos???

Nem histórias com os vossos bichos???

Vá, despejem!!! Tou curiosa!!!

Apresentou demissão said...

Era uma vez um animal de estimação que sonhava ser um gato voador!
Sempre o odiei, morava em casa de uma namorada da altura e tinha o desplante de dormir com ela.
O sacana do gato era Gay pra caraças! Roçava-se na minha perna quando lá ia e fazia ronron quando lhe mexiam na barrida ou na cabeça.
Ela morava no 6º andar de um prédio.
A historia podia aki ser toda relatada, mas vou passar ao final.
Então é assim, no ultimo dia em que foi visto, coincidiu com o dia em que tive a oportunidade de ficar sozinho na sala de estar. Estava eu sentado no sofa, e esse gatinho, como lhe chamavam, que eu prefiro chamar a essa especie de representação gay nos animais, teve a infelicidade de aparecer na sala...ainda o estou a ver...a aparecer com um andar em "slow motion" a roçar a eskina da parede...esperguiçando-se...ora se encolhendo ora se esticando...aproximando-se do sofá... entretanto sem nada que o fizesse prever dá um salto rápido pra cima do sofé...volta a andar lentamente e .... vejam-me o k fez ... vem-se roçar em mim... porra!
Oiço nesse mesmo instante a porta do W.C a fechar! Ia ali ficar uns bons 5 minutos sozinho com o gato... bom não chegou a tanto! Olhei pra ele, fisguei-o nos olhos, disse-lhe :"é agora que vamos ajustar as contas..." parou a olhar pra mim com akeles olhos muito abertos em posição de defesa...previa que ia haver sangue ...ali ou era ele ou era eu! Um de nós iria desaparecer...
Foi então k agarrei nele naturalmente fui à janela e mandei-o cá pra baixo! Acabou-se! nunca mais houve gato pra ninguém! Sem remorços! Mais tarde viria eu tambem a abandonar a casa, mas foi porque kiz! É a minha história dos nossos amiguinhos...

See ya!

Apresentou demissão said...

Era uma vez um animal de estimação que sonhava ser um gato voador!
Sempre o odiei, morava em casa de uma namorada da altura e tinha o desplante de dormir com ela.
O sacana do gato era Gay pra caraças! Roçava-se na minha perna quando lá ia e fazia ronron quando lhe mexiam na barrida ou na cabeça.
Ela morava no 6º andar de um prédio.
A historia podia aki ser toda relatada, mas vou passar ao final.
Então é assim, no ultimo dia em que foi visto, coincidiu com o dia em que tive a oportunidade de ficar sozinho na sala de estar. Estava eu sentado no sofa, e esse gatinho, como lhe chamavam, que eu prefiro chamar a essa especie de representação gay nos animais, teve a infelicidade de aparecer na sala...ainda o estou a ver...a aparecer com um andar em "slow motion" a roçar a eskina da parede...esperguiçando-se...ora se encolhendo ora se esticando...aproximando-se do sofá... entretanto sem nada que o fizesse prever dá um salto rápido pra cima do sofé...volta a andar lentamente e .... vejam-me o k fez ... vem-se roçar em mim... porra!
Oiço nesse mesmo instante a porta do W.C a fechar! Ia ali ficar uns bons 5 minutos sozinho com o gato... bom não chegou a tanto! Olhei pra ele, fisguei-o nos olhos, disse-lhe :"é agora que vamos ajustar as contas..." parou a olhar pra mim com akeles olhos muito abertos em posição de defesa...previa que ia haver sangue ...ali ou era ele ou era eu! Um de nós iria desaparecer...
Foi então k agarrei nele naturalmente fui à janela e mandei-o cá pra baixo! Acabou-se! nunca mais houve gato pra ninguém! Sem remorços! Mais tarde viria eu tambem a abandonar a casa, mas foi porque kiz! É a minha história dos nossos amiguinhos...

See ya!

Apresentou demissão said...

Era uma vez um animal de estimação que sonhava ser um gato voador!
Sempre o odiei, morava em casa de uma namorada da altura e tinha o desplante de dormir com ela.
O sacana do gato era Gay pra caraças! Roçava-se na minha perna quando lá ia e fazia ronron quando lhe mexiam na barrida ou na cabeça.
Ela morava no 6º andar de um prédio.
A historia podia aki ser toda relatada, mas vou passar ao final.
Então é assim, no ultimo dia em que foi visto, coincidiu com o dia em que tive a oportunidade de ficar sozinho na sala de estar. Estava eu sentado no sofa, e esse gatinho, como lhe chamavam, que eu prefiro chamar a essa especie de representação gay nos animais, teve a infelicidade de aparecer na sala...ainda o estou a ver...a aparecer com um andar em "slow motion" a roçar a eskina da parede...esperguiçando-se...ora se encolhendo ora se esticando...aproximando-se do sofá... entretanto sem nada que o fizesse prever dá um salto rápido pra cima do sofé...volta a andar lentamente e .... vejam-me o k fez ... vem-se roçar em mim... porra!
Oiço nesse mesmo instante a porta do W.C a fechar! Ia ali ficar uns bons 5 minutos sozinho com o gato... bom não chegou a tanto! Olhei pra ele, fisguei-o nos olhos, disse-lhe :"é agora que vamos ajustar as contas..." parou a olhar pra mim com akeles olhos muito abertos em posição de defesa...previa que ia haver sangue ...ali ou era ele ou era eu! Um de nós iria desaparecer...
Foi então k agarrei nele naturalmente fui à janela e mandei-o cá pra baixo! Acabou-se! nunca mais houve gato pra ninguém! Sem remorços! Mais tarde viria eu tambem a abandonar a casa, mas foi porque kiz! É a minha história dos nossos amiguinhos...

See ya!

Apresentou demissão said...

Era uma vez um animal de estimação que sonhava ser um gato voador!
Sempre o odiei, morava em casa de uma namorada da altura e tinha o desplante
de dormir com ela.
O sacana do gato era Gay pra caraças! Roçava-se na minha perna quando lá ia e
fazia ronron quando lhe mexiam na barrida ou na cabeça.
Ela morava no 6º andar de um prédio.
A historia podia aki ser toda relatada, mas vou passar ao final.
Então é assim, no ultimo dia em que foi visto, coincidiu com o dia em que tive a
oportunidade de ficar sozinho na sala de estar. Estava eu sentado no sofa, e esse
gatinho, como lhe chamavam, que eu prefiro chamar a essa especie de representação
gay nos animais, teve a infelicidade de aparecer na sala...ainda o estou a ver...a
aparecer com um andar em "slow motion" a roçar a eskina da parede...esperguiçando-se...
ora se encolhendo ora se esticando...aproximando-se do sofá... entretanto sem nada que
o fizesse prever dá um salto rápido pra cima do sofé...volta a andar lentamente e ....
vejam-me o k fez ... vem-se roçar em mim... porra!
Oiço nesse mesmo instante a porta do W.C a fechar! Ia ali ficar uns bons 5 minutos
sozinho com o gato... bom não chegou a tanto! Olhei pra ele, fisguei-o nos olhos,
disse-lhe :"é agora que vamos ajustar as contas..." parou a olhar pra mim com akeles
olhos muito abertos em posição de defesa...previa que ia haver sangue ...ali ou era ele
ou era eu! Um de nós iria desaparecer...
Foi então k agarrei nele naturalmente fui à janela e mandei-o cá pra baixo! Acabou-se!
nunca mais houve gato pra ninguém! Sem remorços! Mais tarde viria eu tambem a abandonar
a casa, mas foi porque kiz! É a minha história dos nossos amiguinhos...

See ya!

Vanadis said...

Chiça, coitado do gato!!!!!!!1

E ainda contas a história umas 4 vezes de empratada...tadito do bicho, pá!!!!!!!!!!!! :-((((((((